Manoel de Oliveira: Viver (de facto) até ao fim!

(1908-2015)
O mais velho realizador de sempre em actividade. O seu ultimo filme (curta-metragem “O velho do restelo” estreou em janeiro deste ano.

     Hoje de manha estava eu a imaginar Manoel de Oliveira a receber um oscar em Hollywood. Sempre pensei que seria um prémio justo e merecido, apesar de ele nao ter tido o mesmo impacto internacional de por exemplo Federico Fellini, Akira Kurosawa ou Ingmar Bergman. Embora penso que, mais por culpa de ter nascido num país que nunca soube exportar devidamente os seus grandes valores (salvos rarissimas excepções) do que às qualidades próprias do realizador. Tivesse ele nascido em França, Itália ou Suécia e se calhar já tinha um oscar na mao. Por volta das 17 horas soube que esse meu pensamento em ver Oliveira a receber um oscar já nao seria possível de o ver transformado em realidade.
     Se a minha memoria nao me falha, a primeira vez que me lembro de ter visto um filme do mestre foi o “Non ou va gloria de mandar” no inicio dos anos 90. Lembro-me principalmente de dois factos que na altura nunca me levariam a pensar que estaria a ver um filme de um mestre. A negativa reacção do publico, principalmente dos jovens que acharam o filme “uma seca” (reacção que se repetiria noutros filmes de Oliveira) e uma cena desse  mesmo filme onde era filmada uma arvore durante alguns minutos. A cena filmada lentamente parecia uma eternidade e levara-me a concordar com a opinião da maior parte do publico. Mas com o passar dos anos, a minha opinião foi mudando e de um realizador bom para fazer as pessoas dormir, passei a ver um realizador dificilmente acessível ao publico (mas nao totalmente fechado) mas verdadeiramente profissional e cheio de qualidade. Nunca vi todos os filmes dele, mas os que vi chegaram para tirar a conclusão de que esta muito acima dos outros realizadores portugueses, sejam eles com uma carreira antiga ou novos. Ha nos seus filmes um detalhe pelo pormenor, pela discrição como se estivéssemos a ler livros. Ha um cuidado pela correcção como se cada cena fosse um quadro pintado com a mais ínfima atenção. Invadidos que somos pela rapidez e acção do cinema americano, sempre tivemos tendência para achar os filmes de Oliveira demasiado lentos. Eu nao diria isso, diria que é outra forma de fazer cinema. Alias como seria possível ver lentidão numa pessoa que foi piloto de corridas de automóveis? A diferença é que Oliveira usava o cinema para explicar o seu sentido da vida, a sua visao sobre Portugal, sobre o mundo, sobre o tempo.
     Manoel de Oliveira era cinema mas nao so. Era também uma vida cheia, um optimismo impressionante que parecia prolongar tanto o tempo que a certa altura já pensaríamos que nunca morreria. Era uma alegria de viver mas com muita lucidez e responsabilidade e uma filosofia de fazer sempre o amanha como so os grandes conseguem. Ja em idade avançada sorria e dançava perante a câmara, sempre a enganar a morte. Foi um excelente exemplo de energia e de contradição à máxima “parar é morrer”. Nao conseguiu enganar a morte até ao fim mas como tantos outros, a sua obra vai ficar muito para além do seu tempo. E basta ver o destaque que a noticia da sua morte esta a ter na impressa internacional para vermos que estamos de facto perante uma das grandes personalidades da vida e cultura portuguesas e do cinema mundial!

Neste video, Manoel de Oliveira tem 99 anos mas dança como um jovem! Admiro muito estas pessoas de grande idade que sao um exemplo para os jovens!
P.S. Espero que o governo português seja tao célere na sua transferência para o Panteão como foi com Eusébio.
Anúncios

2 thoughts on “Manoel de Oliveira: Viver (de facto) até ao fim!

  1. Olá, Bruno!
    Eu não o conhecia, entretanto seu falecimento repercutiu bastante na imprensa brasileira, com ênfase na vitalidade e lucidez de seus últimos anos.
    É mesmo mágico um cineasta produzir até os 105 anos! Neste vídeo, ele é pura poesia…
    Quando me deparei com a notícia na TV, fiquei aqui pensando que se os velhinhos portugueses seguirem seu exemplo e se mantiverem o máximo possível na ativa, vão conseguir contornar a questão do crescimento demográfico negativo que é um fato já consumado.

    Gostar

  2. Ola.

    Sim mas apesar do nivel de esperança de vida ter subido bastante nos ultimos anos e por isso ser mais facil encontrar pessoas idosas com uma vida activa, casos como o de Manoel de Oliveira ainda sao raros e por isso nao me parece que seja uma ideia muito praticável. E depois é melhor que o governo nao saiba essas sugestões senão ainda vai aumentar mais a idade da reforma!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s