A Terra é a tua casa!

      A fotografia acima representa como é fácil de ver o planeta Terra. Ontem dia 31 de Outubro, este planeta, pequeno pedaço do imenso universo, viu chegar  o seu habitante numero 7.000.000.000. Cada um de nos, esteja onde estiver faz parte deste numero imenso e da comunidade humana que cresce a um ritmo cada vez mais rapido. Por coincidência ontem também foi o dia mundial da poupança. E esta coincidência nao podia calhar em melhor altura. Nunca como agora foi tao necessário incentivar à poupança, à reciclagem e à sustentabilidade sob pena de o planeta da foto nao aguentar a pressao do aumento demográfico. Mas por vezes penso que ainda nao ha uma consciencialização desta causa global que afecta a todos, mesmo que por vezes nao seja perceptível. De facto tem-se falado cada vez mais no aumento da população mundial e na gestão dos recursos naturais, isto porque ambos estes factores estão ligados. As perguntas impõem-se e têm uma preponderância cada vez maior: De que forma é que este aumento rápido da população mundial afecta o planeta? Ha recursos suficientes para toda a população? é possível garantir os meios mínimos de subsistência para cada habitante da Terra? Como garantir uma utilização razoável dos recursos existentes de forma a que recebam todos por igual? O futuro da Terra encontra-se verdadeiramente em perigo?
        Antes de mais apresento aqui um gráfico sobre a evolução histórica da população mundial:

Gráfico da revista brasileira Época. Fonte:ONU
Nota: 1 bilhão (português do Brasil) = mil milhões (português europeu)
    Como se pode ver a evolução da população mundial é mais ou menos constante até que a certa altura cresce de uma forma muito rápida. Este crescimento coincide com a revolução industrial do século XIX e torna-se mais preponderante a partir dos anos 30 do século passado, como se pode ver neste outro gráfico:
   Repare-se como de 1800 a 1930 a evolução é lenta e depois numa subida abrupta e repentina a população cresce a um ritmo vertiginoso. Este aumento deve-se principalmente à melhoria das condições de vida, às descobertas no campo da medicina que permitiram uma melhoria nas condições de vida e um consequente aumento da esperança de vida e a juntar a isso um continuo aumento da natalidade principalmente nos países subdesenvolvidos, excepto raras excepções como a China. Isto apesar de o século XX ter assistido às maiores guerras que a humanidade já assistiu. Ora um aumento tao vertiginoso como este coloca em prioridade o problema da utilização de recursos visto que a população mundial consome muito mais do que os recursos existentes no planeta e por isso ha o risco de estes acabarem muito mais cedo do que o previsto provocando pobreza e dificuldades de sobrevivência. Esta teoria nao é nova e vem desde do século XIX graças a Robert Malthus que falou pela primeira vez da famosa teoria populacional malthusiana na qual um aumento significativo da população graças à melhoria de condições de vida acabaria por provocar um aumento da pobreza e da fome por falta de recursos alimentares. Assim para Robert Malthus a única solução seria o controlo da natalidade. Algo que como já foi dito anteriormente nao acontece principalmente nos países onde precisamente o problema da fome é mais visível. Esta recusa de controlo da natalidade deve-se fundamentalmente a tradições bastante enraizadas na população. Ora sabendo que o aumento descontrolado da população mundial é um problema para a sua própria sobrevivência é possível garantir o futuro do planeta? Antes de mais importa dizer que ao contrario do que Malthus preconiza a população que sofre de fome vem diminuindo mesmo com o seu aumento, como se pode ver nesta carta:
Fonte:Artetv, Lepac. A vermelho a parte da população com problemas de recursos alimentares.
      Ora isto vem por em causa a fome como motivo de revoltas. Em 2008, essas revoltas foram provocadas mais por problemas económicos e políticos do que ma produção agrícola. O que indica que procurar  na fome provocada pelo aumento descontrolado da população uma justificação para os problemas de revoltas ou mesmo possíveis guerras nao é de todo uma boa razão. Portanto, nao sera tanto uma relação inversa entre a população mundial e a produtividade agrícola como causa de distúrbios violentos como dizia Malthus, mas mais um mau uso dos recursos alimentares aliado a uma ma produtividade agrícola devido à especulação financeira e comercial dos produtos agrícolas. Mas os recursos nao sao so alimentares. Os recursos energéticos também sao importantes e também estes encontram-se ameaçados. De facto é sabido que estes vao acabar um dia, pelo menos os recursos finitos. Mas o problema é que este aumento exponencial da população provoca um aumento crescente da utilização dos recursos energéticos e por conseguinte a sua diminuição abrupta e um fim mais rápido desses recursos.  Neste caso torna-se necessário falar no conceito de pegada ecológica.  Esta serve para calcular o nível de consumo de uma pessoa ou população tendo em conta os recursos energéticos e materiais e a quantidade de terra e agua que seria necessária para sustentar as gerações actuais. Assim quanto mais se consome, maiores sao os gastos dos recursos e por conseguinte as gerações futuras terão menos recursos para consumir. A pegada ecológica tem como principal objectivo chamar a atenção para o problema do gasto excessivo dos recursos antes do tempo certo. Isto significa que a população tem crescido de uma forma tao rápida que actualmente consomem-se recursos que so deviam ser consumidos muito mais tarde. Por curiosidade diga-se que se todos os habitantes do mundo consumissem como cada português consome seria necessário o equivalente a 2 Terras para manter a população. Para calcular a sua pegada ecológica visite este site
    Tendo em conta que a humanidade consome muito mais do que produz e que os recursos estão a extinguir-se mais rápido do que o tempo previsto o que se pode fazer para haver um equilíbrio entre o consumo e a produtividade? Aqui aparece outro conceito que é o de sustentabilidade. Este conceito tem a ver com o uso eficiente de recursos pelas gerações actuais sem que as gerações futuras sejam prejudicadas. Isto significa que o consumo das necessidades presentes deve ter em atenção o consumo das necessidades futuras. Falando em termos de economia doméstica: nao gastar abusivamente e desnecessariamente no presente de forma a que no futuro continue a ter uma quantidade razoável de recursos. De certa forma é poupar. E poupar torna-se necessário nos tempos presentes. Certo que a explosão demográfica actual e o pessimismo criado pelas previsões de Robert Malthus criam um futuro incerto para o Planeta, no entanto o futuro so nao tem solução se nao se fizer nada no presente. O trabalho passa por uma maior eficiência na utilização dos recursos naturais, numa melhor distribuição dos alimentos e num mais eficaz planeamento familiar. A febre de consumismo dos países industrializados e a alta taxa de natalidade dos países subdesenvolvidos têm prejudicado o desenvolvimento humano e ecológico do planeta mas é possivel mudar o rumo dos acontecimentos e contribuir para um futuro melhor. Para terminar embora sendo impossível gostava que cada habitante tivesse a oportunidade de ver  a Terra do espaço para que talvez ai ganhasse a consciência de que aquela bola azul é a sua casa e que tem de a tratar bem. 
    
Anúncios

2 thoughts on “A Terra é a tua casa!

  1. Olá Bruno

    E o pior de tudo isto, é que uma muito pequena percentagem desses 7 mil milhões consome, destrói e desperdiça a maior parte dos recursos. E esta ainda é a maior insustentabilidade. Precisamos de lutar contra este sistema que destrói a natureza, a esperança e a vida, apenas pela ganância do lucro. Precisamos de uma civilização em que as prioridades sejam cuidar da Terra, cuidar das pessoas, e não aumentar o lucro.

    Como disse Almeida Garrett, há tantos anos:

    “E eu pergunto aos economistas políticos, aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso condenar a miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta, para produzir um rico? “

    Parabéns pelo texto, e bom fim de semana!

    Gostar

  2. Salam, Bruno!

    Muito importante o seu texto e o MOESCOR tem a solução para essa problemática: a esperança e a coragem de nós, humanos.
    Só considerarei que a Terra é habitada por “humanos” quando a Terra for considerada “a casa de todos nós”.
    Quando será esse dia?
    Estaremos aqui?

    Esperança e Coragem sempre.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s